As diferenças de pensamentos: Idealismo x Materialismo.

Resultado de imagem para materialismo versus idealismo"

Redação Multimídia ministrada pelo Prof. Eduardo

Anna Luiza de Abreu Dutra

SETEMBRO
2019

“qual é a primeira causa de tudo o que existe, a matéria ou o espírito?”

● Definições:

Idealismo:
É qualquer teoria em que o mundo material, objetivo, exterior só pode ser compreendido plenamente a partir de sua verdade espiritual, mental ou
subjetiva.

Materialismo:
É o tipo de fisicalismo que sustenta que a única coisa da qual se pode afirmar
a existência é a matéria; que, fundamentalmente, todas as coisas são
compostas de matéria e todos os fenômenos são o resultado de interações
materiais; que a matéria é a única substância.

Um amigo olhou desaprovadoramente para a comida de Andrew Pessin, autor de Filosofia em 60 segundos. “O que foi?”, perguntou-lhe. “Está deliciosa!” “Não está, não”, ele respondeu. Pessin não continuou essa discussão porque não havia nada a argumentar quanto a isso…

Por quê não?…não podemos dizer que a percepção de alguém esteja correta e que a do outro não está. As características percebidas aqui são subjetivas: não no objeto, mas na mente do observador. Beleza, como se diz, está no olho do
observador.

A moeda na sua mão parece redonda, mas, de outro ângulo, parecerá oval;
de longe, você a verá como pequena, ao passo que, de perto, parecerá grande.
Em todos esses casos, certa qualidade varia entre os atos de percepção, ao passo
que o objeto em si não mudará: é a mesma moeda seja parecendo redonda ou oval, pequena ou grande.

O materialismo, isto é, a crença de que não há nada fora da natureza que possa ser apreendido pelos sentidos, logo, de que não há Deus nem ideais, entrou em moda pela primeira vez no século XVIII com o Iluminismo francês.
O materialismo afirmava que a base de tudo o que existe é a matéria e procurava
estudá-la profundamente, foi ele um grande auxiliar do desenvolvimento das
ciências, mas desde que via na matéria um elemento imutável, de formas definitivas e eternas, tropeçava forçosamente, com o tal ponto de vista, num entrave á verdadeira concepção da natureza.

Exemplos: Teoria Marxista bem materialista.

CURIOSIDADES

materialistas= empiristas
idealistas= racionalistas
Origem inglesa

Retomando o materialismo, em geral, se contrapõe ao idealismo; não se pode
realmente compreender o materialismo sem conhecer o seu oposto — o idealismo.
Para se responder à pergunta, sobre o que vêm a ser materialismo e idealismo, não colocaremos a questão tão metafisicamente, do seguinte modo: “qual é a primeira causa de tudo o que existe, a matéria ou o espírito?”, se há principio e fim em tudo o que existe. Formularemos a questão um tanto diferentemente. No mundo em existência que concebemos, sentimos primeiramente a nossa própria existência que se compõe em certo sentido de duas partes:


● 1º), vemos a nós mesmos como um corpo: — nosso corpo material;
● 2º), sentimos a nós mesmos como elemento de manifestações internas: —
pensar, sentir, saber. São esses os dois momentos principais que cada “eu”
sente em sua própria existência. Por isso, ao construirmos uma escola
filosófica, temos diante de nós dois caminhos a seguir:
● 1º), a escola materialista afirmando que em todo o existente está a matéria, o
corpo; que tudo na natureza é objeto da percepção dos nossos sentidos e
que o pensamento humano é o resultado da matéria — o pensar é atributo da
matéria, como todos os outros, ou
● 2º), a escola idealista que diz sentirmos primeiramente a existência das
nossas emoções, dos nossos pensamentos e que o corpo, — a matéria
existe tão somente porque o “eu”, o nosso pensamento concebe. A pedra,
por exemplo, que não se concebe a si própria, não tem existência
Percebemos um fenômeno com os nossos órgãos, vemo-lo com os nossos
olhos, mas o ato em si de ver, o fato como tal, não é material, não pode ser
visto nem tocado. Esta escola toma por isto como base o espírito, o
pensamento. A matéria é por ela tomada como um acidente ou como
corporificação do espírito.

A que pode conduzir e a que nos levaram o materialismo e o idealismo em seu
desenvolvimento histórico?
Desde que verificamos ser o corpo, a matéria, o objetivo, o que realmente existe,
devemos estudá-lo antes de tudo, conhecer suas prioridades e só assim é que
poderemos conhecer o mundo. O materialismo tornou-se assim um propulsor do desenvolvimento das ciências, graças ao fato de construir as suas concepções
sobre a matéria.

Os idealistas, ao contrario, diziam que se devia antes de tudo investigar as
manifestações internas, — o espírito, o fator básico de tudo o que existe; que se
pode apresentar até sob a forma de matéria. Mas o espírito é algo que não se pode apreender, que não se pode investigar. O espírito, como tal, não pode estar sujeito a força alguma, e, pelo seu conteúdo, só pode ser explicado espiritualmente ou divinamente. O desenvolvimento histórico dessas duas doutrinas deu-se de tal forma, que o materialismo cresceu e se desenvolveu ao lado da ciência, ao passo que o idealismo achava-se quase sempre ligado á religião, ou se entretinha com a metafísica especulativa, divagando sempre nas esferas da metafísica e da teologia.

Fontes para realização do trabalho:

https://fernandonogueiracosta.wordpress.com/2014/07/12/idealismo-x-materialismo/

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32831999000100017

A busca por um pensamento racional: idealismo x materialismo

Sócrates é considerado o patrono da Filosofia, por isso seu nome é um marco que divide a filosofia grega entre os períodos pré-socrático e socrático. No período pré-socrático, entretanto, encontra-se uma vasta e importante produção filosófica que remete aos primórdios da Filosofia, ao início de uma busca por um pensamento racional que não aceitasse as explicações fantasiosas oferecidas pelas mitologias como verdades inquestionáveis.

Nesse período, os primeiros filósofos ocidentais buscaram observar a natureza para entender como ela funciona e, assim, atribuir uma causa como origem primeira de todo o universo (cosmos em grego). Isso deu origem à cosmologia, que é uma tentativa de compreender a origem de tudo a partir da observação, da argumentação e do raciocínio lógico, deixando de lado explicações mirabolantes como as que eram fornecidas pela mitologia grega.

Todos os filósofos desse período tentaram, de algum modo, atribuir uma origem ao universo, utilizando-se de argumentações. Alguns apontaram os elementos materiais e naturais como a origem de tudo; outros citaram elementos imateriais, e alguns, ainda, disseram que a origem se encontrava em um misto de elementos infinitos e indeterminados.

Como a Grécia antiga não era um único Estado soberano fundado sobre um mesmo território, mas um misto de cidades-estados (polis) diferentes e autônomas que se situavam em regiões próximas, porém separadas, as comunidades fundadas nessas cidades eram diferentes. Com essa diferença, houve também uma modificação das maneiras de pensar daquele povo: havia um esforço comum para buscar algo novo – o pensamento racional –, mas cada um fez isso à sua maneira.

Por esse motivo, surgiram na Grécia pré-socrática diferentes escolas de pensamento racional que propunham resolver o mesmo problema – qual a origem racional do universo –, de maneiras diferentes.

O idealismo é uma corrente filosófica que defende a existência de uma só razão, a subjetiva. Por essa abordagem, a razão subjetiva é válida para todo ser humano, em qualquer espaço temporal ou físico. A partir do pensamento idealista, a realidade se resume ao que é conhecido por meio de ideias. Há, ainda, diferença entre a realidade e o conhecimento que temos sobre ela. Ou seja, só podemos dizer que a realidade é racional para nós a partir de nossas ideias.

O pensamento idealista foi inaugurado por Platão. O filósofo grego resume o idealismo no “Mito da Caverna”. Na alegoria, afirma que as sombras do mundo sensorial precisam ser superadas pela luz da verdade universal e da razão.

As críticas ao idealismo platônico ocorrem porque as ideias do pensador grego alcançam o pensamento abstrato. Entre os fatos está a defesa da existência da dualidade na criação, com a existência do corpo e da alma.

A abordagem filosófica do idealismo na Alemanha é retomada por Immanuel Kant (1724 – 1804). Começa na década de 80 do século XVIII e se estende até a primeira metade do século XIX.

A partir do século XIX, o idealismo alemão é abordado por um grupo de filósofos denominados pós-kantianos. Eram Johann Gottlieb Fichte (1762 – 1814), Friedrich Wilhelm Joseph von Schelling (1775 – 1854) e Georg Wilhelm Friedrich Hegel (1770 – 1831).

O idealismo transcendental de Kant é fundamentado no fato de o conhecimento não resultar de uma experiência neutra.

Kant atenta para a influência social na razão. O filósofo apontava que cada um enxerga o mundo conforme suas lentes cognitivas. As lentes resultam da influência do meio, da sociedade e do momento histórico.

Hegel, embora defensor do idealismo, criticava as ideias de Kant. O pensador afirma que a transformação da razão e de seus conteúdos é movida pela própria razão. Afirmava que a razão não está na história porque ela é a história.

Uma das principais características do materialismo é sua busca pela explicação dos fenômenos da realidade a partir de condições estritamente concretas e materiais, donde se pode compreender de modo racional as fontes que geram as dinâmicas sociais, históricas, psicológicas, epistemológicas, etc.

Com efeito, o materialismo está em via oposta ao idealismo, o espiritualismo e a metafísica, posto que afirme a primazia da matéria sobre o espírito. Ademais, até mesmo o pensamento seria uma manifestação interior da matéria, permitindo a existência imaterial da consciência, contudo, correlacionada aos fatos e fenômenos de origem material.

Tem especial destaque no materialismo o pensamento marxista de Karl Marx (1818-1883) e Friedrich Engels (1820-1895), donde o ser humano fundamenta toda sua estrutura econômica e social nas condições materiais de sua existência.

Resultado de imagem para karl marx e friedrich engels
Karl Marx (1818-1883) e Friedrich Engels (1820-1895)

Pelo “Materialismo Dialético”, as mudanças surgem pelo embate entre as forças sociais, como um reflexo da matéria em sua relação dialética com as dimensões psicológica e social, as quais, por sua vez, constituem as forças produtivas e as relações de produção.

Por conseguinte, no “Materialismo Histórico”, os processos históricos seriam uma manifestação do trabalho para satisfazer as necessidades materiais, o que determinaria os modos de produção da vida material, com impactos diretos na vida social, política e espiritual em cada período histórico.

Do ponto de vista do idealista, uma cadeira, por exemplo, precisa primeiro ser concebida em sua mente como vontade, necessidade ou projeto, para depois ser construída, ou seja, para se ter então a ideia executada. Já numa visão materialista de mundo, são as necessidades e experiências no mundo físico que promoverão na mente do homem a ideia de se construir uma cadeira.

Maria Eduarda Reis

REFERÊNCIAS

PORFÍRIO, Francisco. Escolas filosóficas pré-socráticas. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/filosofia/escolas-filosoficas-pre-socraticas.htm Acesso em: 22/09/2019.

MAGALHÃES, Bruno. Idealismo filosófico. Disponível em: https://www.todamateria.com.br/idealismo/ Acesso em: 22/09/2019.

LOBO, Bianca. Materialismo. Disponível em: https://www.todamateria.com.br/materialismo/ Acesso em: 22/09/2019

Liberdade ou Utopia ?

Liberdade ? 

Ah, liberdade… Um simples substantivo, mas que aflige o ser humano desde os primórdios de sua história. O que é ela? Um conceito abstrato? O ápice da existência? Ou só algo ao qual buscamos sem saber exatamente o que é? 

 

De acordo com os conceitos mais conhecidos, liberdade é agir de acordo com a própria vontade, sem interferência de terceiros e sem prejudicá-los. Porém a liberdade se contradiz em seu próprio conceito, uma vez que alguém que queira matar o próximo tem sua liberdade ferida por não poder matá-lo, já que isso prejudicaria tal pessoa. 

Penso que a liberdade é uma utopia, ou até uma distopia. Utopia por parecer impossível alguém ser plenamente livre, já que absolutamente tudo o que nos cerca interfere sobre nossas decisões, ferindo diretamente o princípio de agir de acordo com a própria vontade, e consequentemente nos impedindo de ser livres. Fatores como cultura, religião, período histórico, família, mídia, ideologias e até o próprio Estado, que é responsável por zelar pela liberdade de cada um, interferem direta ou indiretamente em nossas ações. Distopia pelo simples fato de que se cada um fizesse oque bem entendesse, a sociedade entraria em caos total, e finalmente a liberdade coletiva seria vetada, pois o egoísmo e as guerras trariam destruição. 

De acordo com os filósofos contratualistas, o ser humano nasce naturalmente livre, mas o ambiente no qual vive faz com que ele tenha sua liberdade colocada em xeque a todo momento. Por isso o homem abriria mão de parte de sua liberdade para ser submisso a uma conduta social que faria com que todos vivessem em harmonia e teriam sua liberdade resguardada. Mas porque o ser humano abriu mão de algo que ele vive em busca desde que tomou consciência de si? A resposta mais plausível é que ele não queria se tornar escravo de sua própria vontade, pois a partir do momento que você carrega a bagagem de ser livre, você também tem que assumir as consequências de seus atos. Dessa forma é mais fácil ser escravo de leis, que pelo menos irão “proteger” seu direito de decisão e punir quem o prejudicar de alguma forma; do que viver com o “peso” de filosofar a cada escolha que precisar ser feita e ponderar cada reação que ela pode desencadear. 

Não se pode negar que a liberdade talvez seja um dos maiores focos de desejo que existem. Isso faz com que ela seja usada como instrumento de chantagem, já que a todo momento temos a liberdade ameaçada pela justiça, através da terrível punição que nos será dada se não 

andarmos nos conformes, que é exatamente a privação da liberdade. As leis são códigos éticos e morais que permeiam a vida social e ditam oque pode ou não ser feito. È de extrema hipocrisia prometer ao povo a liberdade, mas impor limites sobre ela, fazendo ela deixar de ser oque era essencialmente. Para ser livre verdadeiramente, o ser humano tem que poder fazer oque quiser, inclusive ser mal. A maldade é inerente ao ser humano se formos julgar de acordo com os valores atuais. Então o homem deve atender ao desejo entranhado em si, mesmo que infelizmente isso vá prejudicar alguém. 

Me arrisco a dizer que a liberdade é mais importante que a própria vida, pois desde a antiguidade clássica ou até mesmo antes, o maior instrumento de punição é a falta de liberdade. A escravidão, a prisão e tudo que prive o homem de agir minimamente da forma que quiser, é um grande ameaça, causa terror. Seria mais efetivo tirar a vida de um infrator, mas preferem torturá-lo tirando sua liberdade, causando traumas psicológicos neles.

A liberdade traz consigo o fardo da escolha, que infelizmente tem que levar em consideração a ética vigente, e eu particularmente não sou totalmente favorável aos valores éticos. Um livro e um filme me marcaram muito e que são repletos de dilemas éticos são Laranja Mecânica. Livro de Anthony Burgess adaptado por Stanley Kubrick em 1971. Ambos contam a história de um grupo de amigos que saem pela cidade para cometerem vandalismos; estupro; roubo e agressão. Um dia o líder do grupo, Alexander (Alex) é preso, e por ser um adolescente horrivelmente cruel, o governo vê nele uma potencial cobaia para um projeto de reinserção social. O projeto consistia em uma série de situações pela qual o detento teria que passar para “deixar de ser um mal cidadão”, como assistir filmes de guerra e estupro enquanto tem vontade de vomitar e etc. Com isso a cobaia estaria condicionada a não fazer mais tais coisas pois sentiria um desconforto físico muito grande. Alex aceita passar por essas seções de tortura para ter sua pena reduzida e se tornar alguém bom. Mas o cerne da questão é: seria justo praticar engenharia social com um cidadão para que esse deixasse de cometer infrações só pelo medo da dor física? Seria justo fazer uma pessoa deixar de agir conforme sua “natureza” através de algo tão superficial como o medo de ser punida? Ou seria melhor apenas deixar os infratores presos e depois eles serem libertos com a possibilidade de repetir tais atos? 

Trailer da adaptação de Laranja Mecânica.

Esse conflito tem uma dualidade muito difícil de se resolver. Ao aplicar tais métodos de “reabilitação” em Alex, estaríamos ferindo sua liberdade, pois ele é uma pessoa ruim naturalmente, uma vez desde criança ele comete esses tipos de atos sem nenhum motivo “justificável”, só por diversão. A maldade o faz feliz e dá prazer. Uma vez que ele não pudesse mais fazer algo que quer e se sente bem fazendo, a sua liberdade estaria sendo violada. O governo estaria tirando sua liberdade de escolha através da tortura. Alex ainda é uma pessoa ruim, ainda tem os mesmos pensamentos criminosos, mas a dor o obriga a não fazer mais oque gosta. Ele não é mais livre porque agora não tem mais escolhas. Além de tudo, é antiético provocar traumas e condicionar comportamentos nas pessoas, então estaríamos punindo uma pessoa antiética com algo antiético. 

Trecho do filme onde é apresentado o empasse sobre a liberdade de escolha do jovem Alex de forma explícita.

Porém, há algo que nos compactuar com essa experiência aplicada em Alex: a nossa própria liberdade. Quando pensamos que há alguém que pode a qualquer momento nos fazer algo de ruim, queremos que essa ameaça seja liquidada, então de início é automático que queiramos que Alex passe por procedimentos que mesmo que obriguem ele a não agir de certa forma, nos proteja de ter a liberdade violada em algum nível.

Resultado de imagem para sartre o homem é condenado a ser livre

De forma conclusiva, eu deduzo que a tal liberdade pela qual almejamos não existe, pois nem sequer saber exatamente o que ela é. E mesmo que ela seja oque os dicionários dizem, é impossível que ela seja pura, pois não podemos agir sem interferências externas, por mais indiretas que sejam. Então para sabermos oque palavra liberdade é, precisamos vivê-la, e não passar a vida as sendo escravos pela pela sua busca ou refletindo eternamente qual seu verdadeiro significado.

(Autora: Kathlyn Jullie)

Quais as contribuições da filosofia no processo de libertação humana em relação ao totalitarismo?

Por: Mikaella Luiza Ribeiro Barbosa. 

Inicialmente, é necessário ter em mente a definição de opressão. O significado geral de opressão trata-se de um indivíduo que esteja sendo sujeitado a alguém, é a condição da pessoa que está sendo oprimida. No geral, são pessoas diminuindo o potencial de outras de serem plenamente humanas. Tendo em mente seu significado, agora pode-se prosseguir.

O início de uma grande desestabilização

A partir do ano de 1914 uma desestabilização se iniciava no mundo: a Primeira Grande Guerra Mundial. Foi um conflito armado importantíssimo da história que trouxe inúmeras consequências para diversos países, principalmente para a Alemanha. 

É preciso destacar que a Primeira Guerra Mundial foi um marco para colonização alemã no continente africano. Com a derrota na Grande Guerra, a Alemanha perdeu seus territórios na África que foram divididos entre as principais nações europeias no período. 

Além da exploração de matérias primas, como fosfato, café, cacau e algodão no Togo, por exemplo, Bismark, estadista alemão do período, defendia que a presença alemã na África não se dava apenas pela exploração de seu território, mas que se caracterizava em um dever em nome da civilização. Ou seja, os europeus acreditavam ser os representantes do projeto civilizador e  estariam levando aos povos menos evoluídos da África. Essa visão é altamente opressora no quesito racista e hierárquico, postura europeia que marca a colonização como um todo e a justificativa falha para exploração do território africano.

Com o fim da guerra em 1918, a Alemanha, foi obrigada a assinar o Tratado de Versalhes, um acordo entre França e Inglaterra com as terras germânicas que consistia em seus papeis: que fossem proibidas de tomarem novos territórios (portanto, perdeu suas colônias africanas), abusar do uso de seu exército e ainda pagar uma alta taxa de indenização. 

Ao longo desses anos, após esse acordo, o povo alemão estava bastante fragilizado e arrasado com a derrota da Primeira Guerra, foram milhões de mortes civis e militares, construções perdidas e a perda de sua dignidade. 

Adolf Hitler: o início de uma salvação?

Em 1933, nas eleições de partidos políticos que ocorreram, o Partido Nazista foi eleito com seu líder Adolf Hitler que se tornou chanceler no mesmo ano. 

Com a vitória de Hitler e as regras impostas pelo Tratado Versalhes, o líder resolve quebrar o acordo invadindo a Polônia e partir para outra Grande Guerra Mundial que viria a acontecer seis anos mais tarde. 

Em 1939, uma Guerra é iniciada, entretanto o povo germânico ainda estava quebrado e fragilizado com a última guerra que teria sido a poucos anos atrás. Como eles concordaram com a loucura de Hitler?

1. É importante lembrar, que mesmo estando ressentido com a Primeira Guerra, o povo alemão também estava em revolta com o Tratado de Versalhes, foi um dos motivos de se juntarem ao líder.

  2. Outro importantíssimo motivo, foi o carisma que Hitler proporcionava para a população. O nazismo nunca teria chegado tão longe sem a liderança carismática de Hitler, um sujeito que hipnotizava multidões e tinha um poder de convencimento difícil de ser igualado. “No palanque, ele encarnava o mito do ‘corpo’ da Alemanha, cujo sistema circulatório era a massa que o aplaudia com devoção”, filosofa o cineasta sueco Peter Cohen no documentário Arquitetura da Destruição(FONTE: SUPER ABRIL). Além dos fortes meios de comunicação que explodiam na época e passavam uma boa imagem do líder.

3. E por fim, a personalidade reprimida dos judeus que Hitler passava para a população. O Hitler tinha uma política de que a raça ariana era sempre melhor e superior a todas, e graças ao mito de que os judeus eram aliados do diabo, o líder passou a ter um caráter racial por esse povo. As propagandas do regime ensinavam que confinar e matar judeus, assim como ciganos e outras “raças parasitárias”, era uma medida de saneamento, como exterminar ratos e bactérias. A população comprou essa ideia. “Movidos pelo antissemitismo”, diz Daniel J. Goldhagen, “os perpetradores do nazismo acreditavam que acabar com os judeus era justo, correto e necessário”. (FONTE: SUPER ABRIL). 

Foi assim que os alemães viram o Hitler como um salvador que apenas queria vingar seu país e devolver sua dignidade. Uma imagem messias, vista pelos olhos do povo germânico, nascia em Hitler. 

É recomendada a leitura da obra de Walter Langer, “A mente de Adolf Hitler”. Que se trata de um relatório secreto que se trata da mente psique e doente do Füher. https://books.google.com.br/books/about/A_mente_de_Adolf_Hitler.html?id=aLVjDwAAQBAJ&printsec=frontcover&source=kp_read_button&redir_esc=y

Totalitarismo

Porém, a alegria desse povo durou pouco, quando Hitler assumiu um governo totalmente totalitário. Nesse modo de organização política, o Estado exerce o controle total da vida pública e privada, propagando um forte espírito nacionalista. Uma forma de governo totalmente opressora em que o conceito político é o homem como servo do Estado. 

O medo e o terror são sentimentos disseminados em um regime totalitário como um elemento real, servindo como uma forma de controlar a população e mantê-la dependente da atuação e proteção do governo. O policiamento é constante, justamente para se identificar os inimigos da nação e persegui-los.

A propaganda é a maneira mais fácil de fazer chegar à população os ideais do regime totalitário, promovendo o domínio ideológico sobre os cidadãos. É feita uma forma de publicidade que apela para os líderes totalitários como os salvadores da pátria, os escolhidos para resolverem todos os problemas da nação.

Cria-se, assim, um mito, alguém a quem foi atribuído o encargo de vencer os inimigos. Tal propaganda é reproduzida em todo e qualquer meio de comunicação, ao passo que o Estado, por meio de secretarias de regulamentação midiática, controla tudo o que é reproduzido em rádios, cinemas, jornais etc.

Neste vídeo é possível observar um pouco sobre o Nazismo e Fascismo, principais formas de governos totalitários na história.

Filosofia como Libertação do Totalitarismo

A filosofia é uma ciência que abrange questões da natureza, conhecimento e principalmente da existência humana. O totalitarismo representa um sistema de governo que afetou a vida de milhões de pessoas, apresentando reflexos de alcance universal e gerando consequências que perduram até hoje em nossa sociedade.

Um filósofo que podemos associar a libertação do totalitarismo é Jean- Paul Sartre. Foi um importante filósofo da história recrutado em 1939 para a II Guerra Mundial, acabou prisioneiro dos alemães entre 1940 e 1941. Depois de libertado, voltou a lecionar e se integrou à Resistência Francesa, de oposição ao nazismo, fundando o Movimento Socialismo e Liberdade. 

Sartre possui uma famosa frase “o homem é aquilo que ele faz de si mesmo”, o que ele quis dizer com isso foi que sendo livres somos responsáveis por nossas ações,consequentemente somos livres para pensar e conceber nossos próprios paradigmas, não sendo então aquilo que fizeram de nós e sim nos criando a partir do que fizeram de nós. Somos o que escolhemos ser e fazer. Refletindo ao totalitarismo, aponta-se que essa escolha de opressão, adquirida por Hitler e outros líderes, vem do próprio ser humano, da sua escolha e como ele será moldado a partir disso. 

Hannah Arendt e o conceito de banalidade do mal

Até o século XVIII, o problema do mal era tratado do ponto de vista teológico, sendo a maioria das tentativas de elucidá-lo relacionadas com a religiosidade. Porém, a partir da Segunda Guerra Mundial, com o Holocausto Nazista, a reflexão sobre o mal toma um rumo totalmente novo. Nunca antes na História se tinha visto tamanha atrocidade cometida por humanos contra a própria espécie. Definir o mal passou a ser uma problemática aparentemente sem solução. 

Arendt aponta umas das principais atrocidades cometidas pelo regime nazista: a tentativa de tirar a humanidade do indivíduo, de tornar as pessoas incapacitadas de compaixão pelo próximo (“As origens do Totalitarismo”; ARENDT, H.) Ao tentar eliminar o povo judeu, não era apenas o extermínio dos indivíduos em si que se buscava, mas de uma classe específica de indivíduos, de toda uma cultura.

Ela levanta também um ponto bastante polêmico, sobre a participação indireta de líderes das comunidades judaicas no holocausto. Esses líderes eram muitas vezes tinham de escolher quais judeus deveriam ser poupadosdo extermínio, ou seja, sujavam suas mãos ao selecionar vidas humanas como se fossem objetos. Mas Hannah Arendt, não estava de forma alguma acusando seu povo — visto que ela era judia e refugiada — de ter uma parte responsável pelo holocausto. Quando aponta o mal comosendo uma banalidade, ela não quer apenas desmitificar a visão que temos e demonstrar como as mais terríveis atrocidades podem ser cometidas por pessoas comuns, mas sim tirar o mal do patamar de algo que não pode ser mudadoQuando tomamos o mal como sendo algo banal, lhe tiramos umas das principais características, que é a ligação com o sobrenatural, com algo imutável. (“As Origens do Totalitarismo”; ARENDT,H.)

A intenção de Hannah Arendt ao analisar o mal tirando o véu de perplexidade que o encobrira, não é  para aceitar os acontecimentos, mas sim para ver que há sempre uma possibilidade além da maldade, que resistir é uma das únicas formas de se manter humano, de se manter a espécie humana.

Para melhor compreensão do tema, recomendo a leitura do livro de Hannah ArendtAs Origens do Totalitarismo”. Link para leitura: https://books.google.com.br/books/about/Origens_do_totalitarismo.html?id=k8GnBAAAQBAJ&printsec=frontcover&source=kp_read_button&redir_esc=y